GO
 
Quer melhorar a sua saúde?

Inscreva-se para receber a nossa newsletter Paleo (inclui receitas):

Fale Connosco

Interpretação de rótulos, o que evitar?

Interpretar Rótulos

A industria alimentar

Interpretar os rótulos dos alimentos é o primeiro passo para uma maior consciência alimentar e por conseguinte uma alimentação mais saudável. Saiba como lidar com os maus aditivos que a industria alimentar injeta nos alimentos.

O marketing da industria alimentar é selvagem e não é nada Paleo. O facto da maior parte dos alimentos que consumimos serem processados, (desde os congelados, aos pacotes de bolachas, a uma simples garrafa de água) torna fundamental uma escolha criteriosa e espírito crítico nas nossas opções de compra

Porque são usados aditivos?

São considerados aditivos todas as substâncias adicionadas aos alimentos com o objetivo de alterar as caraterísticas físicas, químicas ou biológicas durante o seu processamento.   Os aditivos só deveriam ser usados quando não há duvidas sobre a sua segurança e são a única via para as necessidades da industria, armazenamento, transporte ou distribuição. 

No entanto, sabemos que o seu uso é feito de forma indiscriminada para esconder a ausência de alguns ingredientes, a falta de frescura, a intenção de adicionar sabores artificialmente e induzir o consumidor em erro. 

 Embora devamos privilegiar alimentos naturais, é quase inevitável adquirir alguns alimentos, por mais simples que sejam, que apresentam rótulos com ingredientes bastante duvidosos.

Como identificar os aditivos? 

A regra da interpretação dos rótulos é bem descomplicada. Se não reconhece a designação, fique atento! Significa que se trata de algum ingrediente alienígena que o nosso corpo não reconhece como nutriente.

Aromatizantes, antioxidantes, conservantes, corantes e, estabilizadores, emulsionantes, antiglomerantes, antiumectantes, reguladores de acidez, todos eles representados pela letra E, embora sejam um mal necessário, convém que escolha alimentos com um mínimo destes químicos.  

Além dos aditivos, existem ingredientes “maus” a evitar em qualquer produto alimentar, tal como as “gorduras trans”, também conhecidas por gorduras hidrogenadas, usadas para aumentar o tempo de prateleira dos alimentos, mantendo-os com um aspeto fresco e fofo.  Não lhe parece estranho poder comer uma bolacha 1 ano após a sua confecção? 

 Se quer ter saúde e não sofrer uma doença cardíaca, fuja de alimentos cujos rótulos contenham “gordura vegetal”, “óleo parcialmente hidrogenado”, “óleo de palma, milho, girassol e outros óleos vegetais.   Deve evitar também edulcorantes como aspartane (E-950 e E-955), altamente cancerígeno, sacarina, sucralose, xarope de milho, glicose, acúcar de cana-do-açucar. Concentrado de sumos de frutas, frutose, melaço, xarope, açúcar amarelo, amido modificado, glutamato monossódico, (GMS), espessante, estabilizador carragina (E401, E407), soja, glúten, nitratos, nitritos, benzoato de sódio, ácido benzoico, bromato de potássio, hidroxianisol 2 butilato (BHA), sulfitos (bissulfito de sódio, dióxido de sódio)   Acredita-se que muitos destes aditivos possam estar relacionados com várias doenças como alergias, problemas gastrointestinais e imunológicos, afeções neurológicas, DCV e artrite. 

Além disso, muitas destas substâncias podem ter sido geneticamente modificadas, tornando-as inapropriadas e absolutamente prejudiciais para a saúde. 

E os alimentos light?

Para poder usar num rótulo a designação “light”, um produto deve ter menos 30% de um determinado nutriente (gordura, por exemplo) do que outro produto semelhante. Mas quando a redução é feita nas gorduras, os produtos light têm um teor de açúcares mais elevado, para acentuar o seu paladar, resultando em mais calorias, sendo

quase sempre opões pouco interessantes.

Refrigerante Diet ou Zero é considerado por especialistas de nutrição um dos piores alimentos de todos os tempos. Além dos inconvenientes dos outros refrigerantes, as versões diet contêm aspartame, agora chamado de AminoSweet. Esta substância está relacionada com ataques de ansiedade, compulsão alimentar, defeitos à nascença, cegueira, tumores cerebrais, dor torácica, depressão, tonturas, epilepsia, fadiga, dores de cabeça e enxaquecas, perda auditiva, palpitações cardíacas, hiperactividade, insónia, dor nas articulações, dificuldade de aprendizagem, caimbras, infertilidade e até mesmo a morte.  

O que devemos fazer? 

Evite alimentos industrializados e processados e coma comida de verdade sempre que possível. Não compre produtos light  

Use uma das regras Paleo: Desembalar Menos e Descascar Mais 

 Autora: Ana Pabla, Nutricionista Paleo

Poderá também ter interesse em:

Partilhar
Quer melhorar a sua saúde?

Inscreva-se para receber a nossa newsletter Paleo (inclui receitas):