X
GO
Mais sobre Medicina Chinesa
Quer melhorar a sua saúde?

Inscreva-se para receber a nossa newsletter:

Ventosaterapia e Medicina Chinesa

 

Origem da ventosaterapia

A Ventosaterapia, utilizada há milhares de anos pela Medicina Chinesa, não é uma técnica exclusiva desta medicina, havendo registo de utilização de ventosas para fins terapêuticos em antigas civilizações como a Egípcia, Grega, em toda a África e nas comunidades índias americanas.

Ventosaterapia e Medicina Chinesa

Objectos como chifres de animais, cabaças ou bambus eram utilizados para obter o efeito ventosa, ou seja para criar um vácuo e uma força de sucção localizada.

Na Europa, durante a Idade Média, as sangrias eram aplicadas visando obter efeitos semelhantes aos das ventosas, sendo colocadas sanguessugas nas veias para obtenção de descompressão.

Na Medicina Chinesa o uso de ventosas baseou-se na acupunctura, sendo inicialmente utilizados chifres de animais aquecidos, substituídos progressivamente por bambu, metal e actualmente campânulas de vidro.

 

Aplicação de Ventosas

Para obter o efeito sucção, coloca-se uma substância a arder, por exemplo uma bola de algodão, dentro da ventosa a qual, depois de retirado o ar, é colocada sobre a pele.

A utilização da Ventosaterapia, articulada com os restantes Instrumentos da Medicina Chinesa, visa eliminar toxinas e retirar estagnações do sangue em determinadas zonas do corpo.

O facto de ajudar a retirar estagnações leva a que a ventosaterapia seja utilizada com grande sucesso em casos de dores musculares, lombalgias, artrite, hipertensão, celulite e gordura localizada.

Com aplicação prévia de lubrificante podem obter-se efeitos semelhantes aos das massagens, fazendo deslizar a ventosa numa determinada zona, sendo esta técnica utilizada para activar a circulação, retirar estagnações, desbloquear energia e melhorar o funcionamento dos órgãos.

 

Partilhar
Quer melhorar a sua saúde?

Inscreva-se para receber a nossa newsletter: